Actualidade, livros, árvores, amores, ficções, memórias, maluquices, provocações, desatinos, brinca

Actualidade, livros, árvores, amores, ficções, memórias, maluquices, provocações, desatinos, brinca

domingo, dezembro 28, 2014

A verdadeira essência da Banca: controlar a Dívida


Não chega a dois minutos mas está lá tudo. A ouvir com atenção, a gravar na memória, a usar em caso de dúvida sobre qualquer situação que surja. A importância de uma grande dívida explicada em palavras cruas.

Ninguém é livre quando está em dívida. Portugal, por exemplo, tem uma dívida que quase atinge os 130% do PIB (enquanto a média dos países da UE anda por volta dos 90%) que estrangula o País, que é impossível de pagar, que absorve todos os parcos recursos disponíveis. Com uma dívida assim, o País está à mercê dos credores, é um País escravo. 


Se a isso se juntar um Governo fraco, teremos aquilo a que se tem vindo a assistir nos últimos tempos: uma quase total ausência de soberania, uma venda de todos os seus activos mais estratégicos, o êxodo dos seus jovens, a um desemprego desesperançado, a uma exploração como há uns anos se juraria impensável.


The essence of the Banking Industry




:::

2 comentários:

Anónimo disse...

Fabuloso video! Já o tinha visto antes, mas já o esquecera. Ainda bem que o colocou aqui. "Instrutivo"...para quem ainda não tinha percebido a essência da actividade bancária de hoje em dia. Controlar através do débito. O ovo de Colômbo da Finança abjecta, que é o que ela é nos nossos dias. Uma instituição amoral, gerida por gente sem um pingo de moral, ou mesmo de imoralidade. A Banca-Finança não tem sentimentos, tem objectivos: propôr débitos, controlar depois, para ganhar/lucrar no fim.
O Cinismo no seu auge. A verdadeira face do Capital. Há um século e tal atrás, como Marx escrevia, era a Indústria. Já não é, no Sec XXI. A Banca reina hoje sobre tudo e todos: a Grande Industria, os Governos, as Instituições (UE, FMI, etc).
É sufocante. Como sair disto? Só com coragem política e um povo pronto a aceitar esse desafio.
P.Rufino

Anónimo disse...

As fontes de energia alternativas poderiam ser um plano para a nossa economia? Não é o petroleo que controla o Mundo?