Actualidade, livros, árvores, amores, ficções, memórias, maluquices, provocações, desatinos, brinca

Actualidade, livros, árvores, amores, ficções, memórias, maluquices, provocações, desatinos, brinca

quarta-feira, outubro 22, 2014

Renée Zellweger, antes e depois. Plástica? Implantes? Botox? Peeling? Tudo isso junto? Ou uma estranha aventura? Era para ser assim? Ou correu mal?


Renée Zellweger apareceu e ninguém a reconheceu. Não era uma coisa como das outras vezes, ora gorda, ora magra, ora ar casual, ora ar sofisticado. Não. Desta vez não era uma variante, era mesmo outra. Quando vi as fotografias nem acreditava que fosse ela.



Renée Zellweger antes e depois da transformação radical



Já aqui estive a observar para ver se percebo. 

Li que, para além de se ginasticar afanosamente, se trata regularmente com botox e com laser e que faz peelings para ter uma pele radiosa de adolescente e que agora, para além disso tudo, aparentemente terá feito um implante no queixo e alisado a zona circundante dos olhos.

A mim, de tudo, o que mais me chama a atenção são os olhos. Eu acho que os olhos dela eram a sua imagem de marca. Tinha a pálpebra superior gorda que fazia com que os olhos ficassem apertados e com ar vagamente rasgado e isso dava-lhe um ar travesso, levemente malicioso.




Ora, parece-me que lhe tiraram o recheio da pálpebra superior e que, portanto, ficou com o olhar menos expressivo, parece que perdeu o traço que a caracterizava.





Olho para a nova Renée Zellweger e, de facto, não a vejo mais nova. Vejo-a com um ar até mais triste pois o anterior olhar apertado dava-lhe um ar maroto característico, toda ela sorria através do olhar, e, sem esse olhar que a fazia parecer inocentemente traquinas, fica apenas bonita. Da graciosa, divertida e inocente Bridget Jones já não há ali nada.


Mas, enfim, cada um sabe de si e se ela gostar de ser ver assim, tanto melhor para ela. Mas que faz impressão, faz. Quando se vê ao espelho, reconhecer-se-á?


1 comentário:

Anónimo disse...

Li isto e vi as fotos e nem queria acreditar. Ainda se fosse uma velha tia nossa, mulher filha de um temporal, comprendia, sempre ficava parecida com o nevoeiro (caramba e eu até gosto de nevoeiros! Jesus!), agora esta transfiguração é uma coisa do otro mundo. Pode, todavia, ser receita para um casamento em fim de festa, assim o marau tem mulher diferente para a próxima década e escusa de ir debicar fora. Quem sabe se não resultará!
Para mim, não resultava, visto o molde ser o mesmo, embora desfigurado. Mas, há quem se calhar aprovaria. Temos uns amigos que fizeram umas plásticas num médico brasileiro, orelhas, boca, olhos, papadas, testa, mãos, pescoço, e sei lá que mais...e quando os vimos, pareciam uns 15 anos mais novos. Entretanto, já começaram a voltar aos 50entas, a juntar-se a nós.
P.Rufino