Actualidade, livros, árvores, amores, ficções, memórias, maluquices, provocações, desatinos, brinca

Actualidade, livros, árvores, amores, ficções, memórias, maluquices, provocações, desatinos, brinca

terça-feira, setembro 02, 2014

谁拥有黄金签证,也被称为黄金或不可撤销副,那么一个完整的麻线旅行箱,你可以买到你想要在这片美丽的土地雄鸡巴塞罗斯和陶器卡尔达斯什么,直到胆小鬼的著名大厦


Bem, abaixo já falei do Mosquito e do Sobrinho e da pica que a comunicação social portuguesa lhes dá.

Mais baixo falei da pica que as madames dão às peixeiras e que os chernes dão aos ursos.



E aqui, agora, devia falar da minha bela noite no Chiado, uma noite quente em que não subia aragem do rio - mas este calor dá-me cabo do ânimo. 

Bebo água, refresco-me, faço o que posso mas, aqui chegada, talvez por ter regressado tarde a casa e já esteja com sono, não estou com vontade de a esta hora, cerca das 2 da manhã, ainda ir seleccionar fotografias para ilustrar o texto. 

Hoje o nosso compromisso era no Chiado by night, o meu bairro preferido, e as ruas estavam cheias, e havia música e tudo e nós estávamos numa boa, felizes e contentes, férias, tempo para curtir a bela e amável cidade. Além disso, haja o que houver, sou a crazy girl das fotografias, já ninguém estranha, e desta vez andei a fotografar montras, a espreitar os antiquários e alfarrabistas, as lojas de objectos quase de arte e isso dá-me uma alegria suplementar. 

Se amanhã não se meterem pepineiras pelo meio, a ver se as mostro pois, para quem não tenha oportunidade de por aqui veranear, talvez tenha graça perceber qual o ambiente que por aqui se vive.

Mas nem tudo foram rosas: o jantar demorou, demorou. Ao lado, o Avillez ensaiava umas filmagens, (também o fotografei). Vai expandindo, expandindo, dando entrevistas, aparecendo na televisão, simpático e omnipresente, mas, às tantas, não consegue prestar atenção ao que se passa nos restaurantes. Gente nova na cozinha, gente nova na sala e os clientes a secar, para além de que a comida não estava com a habitual qualidade. Claro que preenchemos o questionário a dar conta da insatisfação. O facto de nos oferecerem a sobremesa como um gesto de compreensão pelo nosso desagrado, não atenuou a maçada de o jantar não merecer o agrado das vezes anteriores. 

Mas adiante que se não é disso que aqui estou para falar. 

                  Ora, se não é disto nem é para mostrar l'air du temps, para que é então?

Pois bem. Na onda do post anterior, venho mostrar uma das fotografias. Só  uma.

Em pleno Chiado, bem junto à saída do metro, mesmo junto à Brasileira, uma agência de viagens.

Qual o mal? perguntarão os meus Leitores mais inocentes.

Pois. Eu mostro.


Golden Visa. Tax Benefits. Real Estate for China buyers.
(Golden Visa package)




Portugal a ser vendido a retalho aos chineses. O Chiado. O Estoril. A Lapa. Tudo o que seja caro, bom. Tradicional. Quando melhor, melhor. Dinheiro é o que não falta.

[Sobre isto, de dinheiro não faltar, abro outra excepção e vou aqui colocar outra fotografia que lá fiz. Vejam bem esta pechincha. 40% de desconto. Barato, barato, barato. Tive vontade de trazer meia dúzia. E não há dinheiro...? Então não há? É o que não falta. Não há é para os portugueses.]

Conseguem ver o preço da jarrita? 2.340 €! Dois mil trezentos e quarenta euritos.
Preço de outlet. Um Lalique a preço de uva mijona.
Não é coisa que qualquer um de nós possa pagar num abrir e esfregar de olhos?



Mas continuando. Dizia eu que habitação, comércio e restauração tudo para chineses.

A comunicação social para os angolanos. A construção civil também para os angolanos. As editoras a começarem a ser vendidas a angolanos.

Os aeroportos a franceses.

A electricidade a chineses.

Os seguros a chineses.

Os bancos a espanhóis e angolanos e a fundos sem pátria.

Os correios nem se sabe bem a quem.

Aliás, já perdemos o controlo a tanta coisa.


Passos Coelho dirá que tudo está a correr como previsto, Paulo Portas dirá que está a ser um sucesso.

E nós, os pategos do costume, nada diremos. 


____


Quem estiver desalinhado e ainda não saiba chinês e se dê ao trabalho de traduzir o título deste post com o google translator, obterá:


Quem possui o visto de ouro, também conhecido como ouro ou vice irrevogável, em seguida, uma mala cheia de cordéis, você pode comprar o que quiser nesta bela terra e cerâmica galo de Barcelos que Caldas até que o covarde edifício famoso


No entanto, o que eu queria dizer era: 

Quem tiver um Golden Visa, também conhecidos como os irrevogáveis vice-Golden ou, então, uma mala cheia de guita, pode comprar o que quiser nesta bela terra dos galos de Barcelos e de louça das Caldas, até a afamada Casa da Mariquinhas


Isto do translator é uma maçada, nem nisso a gente se pode fiar. Sorte macaca.

Relembro: por aí abaixo há mais dois posts. E eu estou perdida de sono.


___


Desejo-vos, meus Caros Leitores, uma boa terça-feira.


..

3 comentários:

Anónimo disse...

Esta cambada que nos desgoverna e vende o país ao desbarato enoja-me. Passos, Portas, Albuquerque, Gaspar, Moedas, e afins são do piorio, políticos inqualificáveis. Esta então dos Visa Gold é de asco. Só podia vir daquela cabeça irrevogável. Com a aquiescência de Passos. E não veio combater o desemprego. Que aliás, com as novas regras e cortes que sofreu, leva a que se crie artificialmente a ideia de que baixou. Ainda recentemente, uma conhecida minha contava-me que o marido, desempregado, vai ficar sem o subsídio a partir de Março próximo, passando para a dita “formação”, onde receberá uns 50 euros mensais. E desaparece nas estatísticas. E assim, este bando de malfeitores que nos desgoverna, Passos, Portas, etc, manipula números e mente sobre a situação dramática do desemprego. Voltando aos chineses, angolanos, etc, o problema é como, um dia, nos vamos livrar deles se quisermos (o Estado, com um outro governo) voltar a deter o capital maioritário de certas empresas (ex: EDP, mas há outros).
Este país está, aos poucos, a entrar pelo cano abaixo. Com a mãozinha espúria dos principais responsáveis pela acção governativa actual.
P.Rufino

Anónimo disse...

Chinês não! Mandarim.

Vitório Rei disse...

Vistos GOLD

Tenho um amigo, que não é de cá,
que quer um visto
para passar a ser de cá,
mas não é um visto qualquer,
o visto que ele quer
tem que ser de ouro maciço,
um visto GOLD,
alguém me arranja isso?

Um outro amigo meu,
que é cá dos nossos
e muito bem posicionado,
disse-me que arranjava o visto ao meu amigo
se ele trouxesse nos seus bolsos
muito papel, muita narta, el contado
(tás a topar, ou não, observou ele meio calado),
se assim é, está combinado,
dinheiro não falta ao meu amigo

O meu amigo entrou cá
e obteve logo o visto Gold,
fiquei muito contente,
voltou a dar a aura de outrora
à Rua do Benformoso,
ao Intendente,
e à encosta da Meia Laranja, ao Casal Ventoso,
e quer comprar o Tribunal da Boa Hora
para aí instalar um serviço altamente
eficaz, eficiente e resiliente
de residencial de luxo, para arrendar quartos à hora
com jacuzzi de água de nascente,
será um grande investimento
que cria postos de trabalho
e mais impostos para o orçamento
(estou a ficar baralhado,
querem ver que à custa de tanta austeridade
já percebo de economia)

Já agora, e não me levem a mal,
como a CPLP também dá vistos GOLD
(seja bem-vindo Sr. Presidente da Guiné Equatorial)
vou propor à União Europeia, a BOLD,
para conceder vistos GOLD
a quem conseguir atravessar a nado
o Mar Mediterrâneo,
e pode ser um visto em papel almaço,
ou em qualquer outro sucedâneo