Actualidade, livros, árvores, amores, ficções, memórias, maluquices, provocações, desatinos, brinca

Actualidade, livros, árvores, amores, ficções, memórias, maluquices, provocações, desatinos, brinca

sábado, maio 17, 2014

Kate Moss e a moda feita por quem a sabe ditar. ["KATE MOSS IS MAKING THE BLANKET AS COAT HAPPEN" - Once again learning from the master...]


No post abaixo já mostrei três mulheres que se destacaram em Cannes 2014. Chiques, elegantes, modernas ou artificiais, mostro-as a elas e às respectivas toilettes e, armada em pipoca mais doce, digo de minha justiça. 


Mas isso é mais abaixo. Aqui, agora, a conversa é outra, embora verse ainda sobre esse magno assunto que é a moda (com esta do 'magno assunto' pode parecer que estou a ser irónica mas, de facto, é um assunto que nada tem de fútil já que se trata de uma indústria poderosa que movimenta milhões).


The Summer Wind




__  _   __


Uma vez mais falo de Kate Moss, essa mulher que não apenas fascina os fotógrafos como os criadores de moda. Mas, mais do que tudo, ela é uma precursora já que ela própria estabelece tendências no mundo da moda. Vendo-a nesta fotografia, a Harper's Bazaar, uma revista icónica, antecipa que Kate Moss está a indiciar uma tendência na moda outono/inverno 2014. 


E mostro esta fotografia com entusiasmo porque eu há muito que alinho neste comprimento de onda - e, vendo-a assim, sinto-me legitimada. O meu marido, volta e meia, quando me vê nestes preparos, pergunta-me se eu não tenho casacos, se tenho que andar enrolada em mantas. Não é que que não goste de me ver, acho eu, é mais por achar que não faz grande sentido. Mas eu acho que faz todo o sentido e sinto-me bem assim. Amantíssima de écharpes, até que chegue o frio a sério avanço pelo outono e mesmo pelo inverno quase sem casacos ou apenas com casaquinhos leves, desdobrando as écharpes,  escolhendo-as quentes para as usar como capas, exactamente como Kate Moss aqui usa a dela (e que gira que é, que cores tão quentes e bonitas).

E nestes dias de primavera que prenuncia o verão, é também isto que faço quando o tempo está incerto. Se for preciso, a écharpe - que nesses dias será das largas - abre-se e é usada como um agasalho.

Como geralmente apenas contacto com o ar da rua quando de manhã saio de casa e quando ao fim do dia estou de regresso, durante o dia não preciso de andar encasacada. Vivo dentro de espaços condicionados. Por isso, prefiro a versatilidade das écharpes, mesmo quando as écharpes são quase pequenas mantas.

__


A música lá em cima, The Summer Wind, é interpretada por Madeleine Peyroux.

__


Relembro: querendo continuar com a elegância feminina e tendo vontade de avançar pela passadeira vermelha, sigam, por favor, até Cannes, ou seja, até o post seguinte.

__

Sem comentários: