Actualidade, livros, árvores, amores, ficções, memórias, maluquices, provocações, desatinos, brinca

Actualidade, livros, árvores, amores, ficções, memórias, maluquices, provocações, desatinos, brinca

sexta-feira, março 07, 2014

Quando fora se abrir o instinto da noite e uma ave o atravessar trespassada por um grito marítimo e o pão for invadido pelas ondas, seu corpo arderá mansamente sob os meus olhos palpitantes ele - imagem inacessível e casta de um certo pensamento de alegria e de impudor.


No post a seguir a este falo de mim enquanto mulher. Aliás, falo de mim como pessoa independentemente de ser mulher. 

Dito assim até pode parecer que não gosto de ser mulher. Gosto. Gosto muito. Sempre gostei. Gosto do meu corpo, gosto de ter tido filhos dentro do meu corpo, gosto de os ter amamentado, gosto de arranjar o meu corpo de mulher, gosto de saber seduzir um homem, gosto de ser a mulher em volta de quem se agrupam miúdos e mais graúdos.

E mostro uma mulher que sabe valorizar o seu corpo, o seu rosto, a sua voz: Scarlett Johanssen. Mas isso é mais abaixo.

**

Aqui, agora, continuo a falar de mulheres, mas agora dou a palavra a alguém que fala de mulheres como elas o são quando são mesmo: bichos, seres mágicos, pássaros, ondas, luas

Dai-me uma folha viva de erva, uma mulher.
Seus ombros beijarei, a pedra pequena
do sorriso de um momento.
Mulher quase incriada, mas com a gravidade
de dois seios, com o peso lúbrico e triste
da boca. Seus ombros beijarei.
Cantar? Longamente cantar,
Uma mulher com quem beber e morrer.
Quando fora se abrir o instinto da noite e uma ave
o atravessar trespassada por um grito marítimo
e o pão for invadido pelas ondas,
seu corpo arderá mansamente sob os meus olhos palpitantes
ele - imagem inacessível e casta de um certo pensamento
de alegria e de impudor.

(...) (poema completo aqui)


E agora, continuando na senda das belas imagens que a Dolce and Gabanna sempre nos proporciona, mostro-vos um filme que dá gosto ver: as mulheres em família. São italianas e talvez por isso tenham a beleza sensual que aqui se vê. Mas as portuguesas também são assim. Monica Bellucci e Bianca Balti entre os seus.



Italian family

**

O poema ali em cima é, de facto, um pequeno excerto de um longo poema:
O amor em vista de Herberto Helder.

Relembro: a diva sedutora, Scarlett, está já a seguir.

Sem comentários: