Actualidade, livros, árvores, amores, ficções, memórias, maluquices, provocações, desatinos, brinca

Actualidade, livros, árvores, amores, ficções, memórias, maluquices, provocações, desatinos, brinca

domingo, março 16, 2014

No melhor pano cai a nódoa: no Eixo do Mal, Clara Ferreira Alves fala do 'Manifesto dos 70', o tal a favor da Reestruturação da Dívida, mostrando não o ter lido. Azar... estava a seu lado um dos signatários, Pedro Marques Lopes, que não se cansou de se lastimar 'Mas, ó Clara, tu não leste o Manifesto...'. Não gostei.


No post abaixo já prossegui com as minhas aulinhas práticas com a assistência da minha ajudanta Martina Hill: o que fazer depois de uma aula de exercício ou depois da prática de corrida ou caminhada. Podem fazer o mesmo que ela. Tem graça e não ofende.

Mas isso é a seguir. Aqui, agora, a conversa é mais séria.

*


De forma geral gosto de ler e ouvir Clara Ferreira Alves. É directa, agarra os bois pelos cornos, não usa meias palavras. É certo que usa frequentemente um desagradável tonzinho de superioridade, de quem engoliu todo o saber do mundo e, cheia de saber até à goela, tem que o verter imparavelmente mesmo que, para isso, não tenha tempo para medir o efeito que causa nos outros.

Mas, enfim, entre uma pessoa convencida mas culta, inteligente, objectiva e bem intencionada, e um meias-tintas, doseado, ignorante e apalermado não hesito em pôr-me do seu lado.

No entanto, não costumo dar o meu apoio só porque sim: costumo elogiá-la porque a tenho em conta de quem sabe do que fala.

Mas eis que, este sábado, no Eixo do Mal, a vejo a atirar-se com as habituais unhas e dentes contra o Manifesto mas dizendo coisas que não tinham cabimento. Criticava o documento por coisas que não estão lá ou omitia outras que, de facto, lá estão. Comecei a ficar apreensiva. Então a falar com aquela segurança do costume e... a mostrar, a cada palavra, que estava a falar de cor, que não tinha lido o documento...?

A self-assumed melhor-de-todos afinal também comete o mesmo erro que os outros? É preguiçosa, não faz o trabalho de casa mas envolve o desconhecimento em pesporrência, parecendo que sabe daquilo como se não tivesse estudado outra coisa desde que nasceu...?

E tanto não tinha lido que nem sabia quem o tinha subscrito. Azar...! Ao seu lado no programa senta-se Pedro Marques Lopes, um dos subscritores.


Vi como ele estava desconsolado, tanto quanto eu e provavelmente tanto quanto todos quantos se habituaram a admirar Clara Ferreira Alves.

O pasmo dela quando soube que Pedro Marques Lopes era um dos que ela tinha acabado de criticar tão veementemente comprovou o que já toda a gente tinha percebido. Pedro Marques Lopes não escondia a sua decepção:
'Ó Clara, mas isso está na página 6...'
'Mas ó Clara, tu não leste o documento. Não está escrito nada disso...'
'Mas ó Clara isso é o que a gente defende...'
'Ó Clara mas se tivesses lido o documento não estavas a dizer isso...'
Vá lá, uma vez descoberto o lapso, ao menos não mentiu. Escapou um pouco à questão, disfarçou, tentou aplicar igual ênfase noutros pontos -  mas a mancha na imagem tinha ficado.

Enfim, toda a gente tem momentos menos felizes e não é uma ou outra andorinha que vai fazer uma primavera - mas que desceu um pouco na minha consideração, lá isso desceu.


*

No post abaixo: a aula prática de bom comportamento feminino pós-exercício físico é já a seguir.

3 comentários:

jrd disse...

A pluma caprichosa costuma falar de "orelhada" e de vez em quando estatela-se.
:)

Anónimo disse...

CFA é um pouco como a vertigem e deste modo acaba por "estampar-se". Já não a leio há muito e do "Eixo", quando vejo, já desvalorizo um pouco o que diz. Aquela sua arrogância deveria ser mais contida. E, depois, quando se sabe que o texto do Manifesto está disponível na Net, mais espanta esta sua falha.
P.Rufino

lino disse...

Para mim, toda a "sabedoria e cultura" da plumitiva está colada com cuspe!
Beijinho