Actualidade, livros, árvores, amores, ficções, memórias, maluquices, provocações, desatinos, brinca

Actualidade, livros, árvores, amores, ficções, memórias, maluquices, provocações, desatinos, brinca

terça-feira, abril 01, 2014

Manuel Valls, o novo Primeiro-Ministro francês, pode ser um socialista chegado à direita, pode enervar os mais à gauche, etc e tal. Mas que tem uma bela pinta, lá isso tem. Tem aquele killer instinct que atrai as mulheres e é sabido como agradar às mulheres é da máxima importância.


Manuel Carlos Valls nasceu em 1962, em Barcelona, filho de um pintor suave, Xavier Valls.

Aderiu cedo ao partido socialista francês, tinha apenas 17 anos, e cedo revelou ser determinado, polémico, ambicioso, sem receio de provocar conflitos ou rupturas.

Naturalizou-se francês aos 20 anos. Formou-se em História.

Recentemente, nas eleições internas do Partido, apoiou Ségolène Royale contra François Hollande.

Manuel Valls tem quatro filhos do seu primeiro casamento. 

Em 2010, depois de se ter divorciado, casou com a sua segunda mulher, a bela e talentosa Anne Gravoin, uma violinista que ganhou o prestigiado primeiro Prémio para Violino e Orquestra de Câmara do Conservatório de Paris.


Dizem que Manuel podia ter um palmo a mais e acredito que sim. Se fosse mais alto, teria uma presença ainda mais marcante. Mas deixá-lo.

Dizem que, volta e meia, podia ser mais fiel aos ideais socialistas e menos pragmático ou direitolas, que podia tentar ser mais consensual, menos controverso. Mas basta olhar-lhe para a cara, para aquela linha do queixo, para ver que é determinado, provocador e que aguenta bem qualquer embate. 

De resto, o que posso dizer ao ver as suas fotografias é que tem uma pinta que não é despiciente.

Cá para mim, num abrir e fechar de olhos, Valls vai meter no bolso o pequeno Hollande, essa pequena nódoa que parece guardar todos os seus méritos para actividades venéreas (venéreas aqui no sentido que César das Neves, esse grande pregador da moral e dos bons costumes, atribui à palavra na crónica de 2ª feira, O fósforo e a gasolina: ou seja, no sentido de Vénus, de cópula, de sensualidade).

Na sequência do trambolhão eleitoral dos socialistas nas autárquicas, Hollande não teve outro remédio senão deixar cair o Governo e avançar com sangue novo. Manuel Valls é pois, desde esta segunda feira, o novo Primeiro-Ministro francês e de uma coisa acho que poderemos estar certos: não vai passar despercebido.


Que consiga imprimir um novo impulso à esquerda europeia é o que eu desejo (e nem vale a pena dizer se, face aos dados conhecidos, é com muita ou pouca esperança que o desejo).

*



Anne Gravoin no violino

*

4 comentários:

Bob Marley disse...

"Mas basta olhar-lhe para a cara, para aquela linha do queixo,",

lembrei-me que na capela dos ossos, não falta malta lá com essa linha e não consta

"para ver que é determinado, provocador e que aguenta bem qualquer embate.

Não sei se reparou mas eles aguentam todos, com linhas ou sem linhas, o focinho do contribuinte é que paga. E por este andar vamos todos para a capela, ficar com aquela linha para aguentar uns embates.

Bob Marley disse...

esta fulana tem linhas e não é só as do queixo - https://www.facebook.com/photo.php?v=658302274210410

Bob Marley disse...

https://dl.dropboxusercontent.com/u/68156231/GOSTOSA%20QUE%20TRABALHA%20NO%20RAIO-X%20DA%20USP%20(1).pdf

Bob Marley disse...

o amor é uma coisa complicada , que o diga o saraiva, ohhh - http://www.jornaldenegocios.pt/economia/financas_publicas/detalhe/saraiva_arrependido_de_ter_assinado_manifesto_dos_70.html

e para quem ama sem arrependimentos aqui - http://peticaopublica.com/pview.aspx?pi=manifesto74