Actualidade, livros, árvores, amores, ficções, memórias, maluquices, provocações, desatinos, brinca

Actualidade, livros, árvores, amores, ficções, memórias, maluquices, provocações, desatinos, brinca

domingo, fevereiro 11, 2018

Seixal
[Tenho que lá voltar e não é só para ir ao Miyagi]




No outro dia, jantar de aniversário, fomos lá, ao Miyagi Seixal. Gostámos. Que restaurante simpático, que gente tão boa onda e que comidinha (dizem eles que street food) mais saborosa. Recomendo.

Acresce que.

Não íamos ao Seixal seguramente há mais de vinte anos. Ia dizer trinta mas talvez trinta seja exagero. Não sei. Não reconhecemos nada do que vimos. Já lá vai o tempo em que as cidades, mesmo sendo abençoadas pela localização, eram tristonhas, mal arranjadas. Agora não. Pareceu-nos bonita e boa para nela se passear. Demos uma leve caminhada à beira rio mas, de noite e com um frio de rachar, não deu para nada.


Este sábado voltámos lá. Mas o nosso tempo é sempre contado. De tarde, mais uma festa de anos (dantes era apenas um aquário, agora já há mais). E, in between, encaixar uma visita aos meus pais.

Portanto, visita rápida, apenas para provarmos mais uns petiscos do Miyagi e para vermos o Seixal à luz do dia. Rente ao rio, praia perfumada a maresia, o passeio ribeirinho muito bem arranjado, os barcos logo ali, uma tranquilidade em que não dá para acreditar estando-se tão perto de Lisboa. Pouca gente, gente sem pressa, uma luz límpida.


De tarde, na festa de anos, calhou estar com quem conhece o Seixal certamente melhor do que a maioria das pessoas. Esteve a contar como não tarda nascerá, no lugar de onde se tem a melhor vista de Lisboa, um parque que, se bem percebi, descerá em direcção ao rio. Acho uma excelente ideia. Se há coisa que procuro quando visito uma cidade são os parques ou jardins públicos. Acho que a qualidade de vida urbana pede sempre um belo parque público.


Na zona habitacional, central, junto ao rio, algumas casas estão a ser reabilitadas e há apontamentos de arquitectura bastante interessantes.

Com o tempo contado, foi fraca a minha reportagem. Do casario os registos foram escassos e mal captados, nem os mostro aqui. 'Anda. Não dá tempo. Anda. Se queres ainda ir a casa dos teus pais, não há tempo para fotografias'. Portanto, o que aqui vêem é quase tudo o que registei.


De tarde, ouvi falar naquela coisa do Benfica, ouvi falar em vários pontos de interesse e a verdade é que não vi nem pitada disso. Mais uma vez apenas deu para uma circulada de carro, um breve passeio a pé pela beira do Tejo e pela zona central. Portanto, uma coisa é mais do que certa: lá voltarei e a ver se, da próxima, é com tempo. 

E aqui fica a recomendação: quem possa, não deixe de visitar. E não é por galdeirice, é mesmo por amor ao nosso belo País.


......................

Até já.

...............................