Actualidade, livros, árvores, amores, ficções, memórias, maluquices, provocações, desatinos, brinca

Actualidade, livros, árvores, amores, ficções, memórias, maluquices, provocações, desatinos, brinca

quinta-feira, fevereiro 15, 2018

Mas como é que eu, até hoje, pude desconhecer uma terra tão linda...? Alguém me explica...?
[Segundo de 7 posts sobre Vila do Conde]


Juro que estou encantada. Durante anos, mal tínhamos uns dias, escapulíamo-nos para fora. Lembro-me de travar lutas por o meu marido querer conhecer melhor o país e eu ficar furiosa, queria era largueza, distância, pôr-me a milhas. Parecia que, cá dentro, atrifiava..

Agora éramos para ter tido todos estes dias para o passeio. Galiza, dizia ele. Depois falou em Mérida. Mas eu estava mais numa de ficar por cá. Cada vez adoro mais este meu país tão díspar, todo tão belo.

E depois o mato, as árvores. Apenas uns dias para laurear. É pouco mas chega. Estamos habituados a fazer uma festa com férias de um ou dois dias.

Leitor amigo já me tinha falado nesta sua cidade. 

Pensei: terra pequena, dá-se uma saltada para ver como é e segue-se viagem.

Mas não. Deus meu. Que terra linda. Linda. Linda. Linda.









E que qualidade de vida, senhores. Não há trânsito, não há barafundas, as lojas não fervilham. E tantos cafés. Tudo tão tranquilo, tão lindo.