Actualidade, livros, árvores, amores, ficções, memórias, maluquices, provocações, desatinos, brinca

Actualidade, livros, árvores, amores, ficções, memórias, maluquices, provocações, desatinos, brinca

domingo, outubro 02, 2016

O mar em Sintra
[Perante uma beleza tão imensa, como pensar naquele ínfimo cavaco que durante anos se terá gabado:
'Maria, encolhi o IMI'?]



De novo Sintra. Passeio pelas pequenas terras que se alojam nas dobras da larga saia de Sintra, a majestosa Rainha da Lua. 

Depois, descida até ao mar. Sempre belo, o grande mar português. 

Desta vez, Magoito, o mar brilhante, o céu luminoso, a maresia iodada, o ar limpo. 

O País, quando visto de lugares assim, mostra-se grande, magnífico.


E todas as notícias de cavaquinhos, pequenos embusteirinhos, videirinhos disfarçados de pequenos estadistas, reizinhos que saltam da marquise clandestina para o palácio, levando a marquise colada a si, a esposazinha espevitada e controleira sempre a tiracolo -- todas essas imizices disfarçadas de gaivotas azuis (gaivotas!? gaivotas ou cagarras...?) perdem relevância. 

Não precisou que a história o arrumasse num sótão povoado de limas azedas. Não, Ainda nem um ano passou e o País já nem sente um frémito, por pequeno que seja, com o cotão que se descobre nos seus despojos. O País já nem sabe de quem falam quando falam desse aníbal que se deu com bandidos, que se queixou de não poder empochar mais e que, no deve e haver, se safou bem com os dinheiros mas muito mal com o que os portugueses pensam dele. Um zero. Não: menos que isso. Bem pode andar roído de raiva, ranger enquanto escreve roteiros póstumos, planear vingar-se dos que se vingam dele, bem pode. Mas nada do que faça apagará o desprezo que os portugueses sentem dele.
Sentindo a frescura deste mar tão belo, nem sei quem foi esse de que as notícias falam. Um qualquer chico-esperto. Um hiato na história do meu país. Concentro-me no azul, na força das águas, na beleza de lugares assim. Concentro-me no que vale a pena.

___


......

E desçam, por favor, para verem o céu on fire no anoitecer em Lisboa 

...

11 comentários:

Rosa Pinto disse...

Maria encolhi o IMI pode ser um grande filme. Quer realizar?
Escolhia uns grandes figurões - há tantos. Colocava-os a viver na porcalhota.
Queridos desci o IMI!

Um Jeito Manso disse...

Olhe Rose, se quer que lhe diga eu acho mesmo que me divertiria à brava a escrever e realizar o grande filme 'Maria encolhi o IMI'!

Arranjava uns saloios marados armados em sherlocks que, por castigo, acabavam encarcerados num sótão, uns mânfios de trazer por casa armados em banqueiros a fazerem favores ao grande líder, umas vacas a rirem, uma maria controleira a decorar a vivenda com naperons da joaninha, a escolher toilettes com o costureiro-comendador - tudo nuns cenários neo-kitsch em maisons na sua dita porcalhota.

Mas deixe, Rosa, que se eu levar a empreitada adiante a convido para fazer o casting, para ensaiar o elenco e para o décor e figurinos.

E, no fim do dia, a seguir às filmagens, íamos para uma esplanada beber um limonada fresquinha e partir coco a rir.

P. disse...

Vim a ouvir essa composição de Beethoven ontem, num CD, The Best of Beethoven, (onde se incluiu Moonlight, Fur Elise, Pastoral, allegro ma non troppo – uma maravilha! etc) no carro, de regresso a casa. Ainda apanhei o pôr-do-sol no Guincho. Parei e ali estive um pouco, a ver aquele cenário espantoso. Vi pessoas e casais, sentados em bancos a desfrutar o mesmo que eu, eu de pé, encostado à viatura e outros a passear, ou simplesmente parados a olhar o mar e o Céu avermelhado, para o esplendor daquele pôr-do-sol. Naquele momento tocava precisamente aquela Pastoral de Beethoven, que é uma criação maravilhosa! Para mim, adequada aquele momento belo, que presenciava. Deixei o casaco no carro, desabotoei a gravata e ali fiquei por um momento. O mar estava razoavelmente calmo e havia pouco vento. Outubro começa bem. Oxalá assim se mantenha!
Essas praias aí perto, Magoito, Lizando, Assafora, etc, são muito bonitas. Conheço-as bem. No Lizandro hoje existe uma passadeira em madeira e uns restaurantes e bares que apetecem, ou ao almoço, ou ao fim da tarde.
P.Rufino
PS: esse tratante do Cavaco é uma vergonha nacional! Esta notícia é inacreditável! E era aquela criatura que pedia contenção aos espoliados, durante a desgovernação de Passos/Portas! Um traste!

Rosa Pinto disse...

Ri.

A cena da esplanada agrada-me.

Tété disse...

E depois disto tudo esteve no Magoito, eu estava cá e não me disse nada.
Até tinha sido giro encontrarmo-nos por aqui junto a este mar que gosta tanto.
Não se faz ao fim de tantos anos e ainda por cima a passar à minha porta do heaven.
Não aplaudo, prontos.
Mesmo assim abraços (que não se negam a ninguém).

Um Jeito Manso disse...

Olá P. Rufino,

Apeteceu-me juntar este trecho imperial de Beethoven com o mar portentoso aqui neste belo recanto do país.

E, de regresso à cidade, aquele céu assombroso!

Quanto ao Cavaco, aquele tal que nunca se enganava, logo se foi enganar 'erro voluntário ou negligente' no imposto...

Com o tempo virão ao de cima todos os podres da sua vidinha e, não me admiraria muito que um dia, também, a maravilha que, diz a rádio-alcatifa, foi a sua gestão palaciana...

E um bom domingo, P.Rufino!

Um Jeito Manso disse...

Pois saiba que, andando a passear pelo seu bem-amado Magoito, várias vezes disse que, quem sabe, não via na sua mansão a Senhora Dona Teresa-Teté...!

E fui dizendo que não admirava que gostasse tanto de para lá ir. Bonita terra, bela praia, grande mar.

Não avisei que não fui sozinha e não lhe ia aparecer com um grupo à porta... Mas, pronto, para a próxima aviso e vou lá dar-lhe um abração.

Um bom domingo aí no seu 'heaven', Teresa-Teté!

Fernando Ribeiro disse...

Pelo que vejo na primeira fotografia, a pequenina praia da Aguda, lá ao fundo, parece ter alguma areia. Há anos em que não tem nenhuma. Quando o vento sopra no Magoito (e se sopra; parece o furacão Katrina!), a Aguda é um bom abrigo.

Eu não morro de amores pelo Magoito. Prefiro São Julião, já perto da Ericeira. Mas São Julião já deve pertencer a Mafra e não a Sintra, ainda que a Assafora esteja por perto. Gosto (e muito!) de Gouveia, a aldeia em verso, tão bonita de saloia ou tão saloia de bonita (já nem sei o que digo), com as suas ingénuas quadras espalhadas pelas esquinas. Em Fontanelas também existem algumas quadras e na própria praia da Aguda existe uma (se ainda a não vandalizaram) que diz:

Gosto de ti tanto tanto
O meu gosto nunca muda
Tu és o meu grande encanto
Ó linda praia da Aguda.

bea disse...

Quando se morre morre-se e acabou. Esse senhor está morto. Fim.

Palpita-me que essas tais ditas praias não me convencem, mas são lindas para ver em fotografia, pelo vidro do carro, de uma janela rasgada ao horizonte. Os restaurantes e esplanadas com mar à vista também não me acertam. Eu bebo da areia macia sob os pés, do sol na pele, da água a festejar os tornozelos, de um passeio à beira mar com banho ao meio. E a envolver tudo a surdina de ondas suaves. Na verdade o meu é outro mar. E não é magnífico. Para cada um de nós há um mar específico, foi esse que aprendemos a gostar.
Bom Domingo

P. disse...

Essas praias que o Leitor Fernando Ribeiro refere são muito agradáveis e bonitas, em particular a de S.Julião (Assafora). Conheço-as, bem como essas terras, visto um familiar de minha mulher ter para ali casa de praia, há anos. Há uma outra terrinha saloia ali perto, o Sacário.
Mas, UJM, sugiro-lhe que vá um dia destes, enquanto o tempo estiver bom, nem que não seja só em passeio, durante o dia claro, até à praia encantadora de S.Lourenço, a seguir à Ericeira. Ao fim da tarde então é muito romântica. Aquela zona toda é "dominada" pelos surfistas. Gosto bastante.
Bom Domingo!
P.Rufino
PS: por estas bandas onde resido faz um belo dia de sol, sem vento. Desejo-lhe o mesmo, nessa Bela Lisboa!

Anónimo disse...

Olá, UJM!

Falava o P. Rufino no pôr do sol de ontem no Guincho e eu acho que ontem o pôr do sol deve ter estado maravilhoso em todo o lado. Estive na terra dos meus avós, em Santarém, e havia um pôr do sol a 360o, uma coisa linda, linda. Quer nos virássemos para poente, norte, sul ou mesmo nascente, lá estavam as nuvens cor de laranja-rosado a colorir o céu.
As praias dessa zona são belíssimas. Praia para fazer praia, para mim, é a Comporta e pouco mais (deve ser a minha costela DDT), essas são mais para dar um passeio, desfrutar do espaço verde à volta.

Quanto ao Cavaco, é como dizia o Trump no outro dia, quando a Hillary o acusou de nao mostrar as declarações de IRS porque fugia aos impostos e ele não negou: "that proves I'm smart".

Bom domingo,
JV