Actualidade, livros, árvores, amores, ficções, memórias, maluquices, provocações, desatinos, brinca

Actualidade, livros, árvores, amores, ficções, memórias, maluquices, provocações, desatinos, brinca

sexta-feira, julho 08, 2016

As causas
- A autora de Um Jeito Manso diz o poema de Jorge Luis Borges


Num dos blogues que leio, um texto lido, talvez um poema. Depois sigo a pista. Outros. Estive a ouvir de gosto. Gosto tanto de ouvir dizer poesia. Quis experimentar dizer. 

De tantos poemas preferidos, qual escolher? Muitos. Passei a noite a dizer poemas. Ao princípio ria-me. Sempre foi isto. Nunca consegui gravar uma mensagem no telemóvel para quando as pessoas queriam deixar mensagens. Acabava perdida de riso. Além disso, ouço a minha voz e não a reconheço.

Pedi ao meu marido para gravar um poema. Não queria. Mas depois lá me fez a vontade. Limpinho. À primeira. Na boa. Voz clara, a dele, sem risos nem parvoíces. Pedi-lhe para me deixar publicar. Não quis. Mas talvez outro dia aceda. Eu, é o desatino do costume. 

Pergunto-lhe se, ao ouvir a gravação, reconhece a minha voz. Ele diz, Claro, é a tua.

Depois dele se ter ido deitar, esforcei-me por me concentrar. Não é fácil, a esta hora, sem nunca alguma vez o ter feito, sem ter paciência para ler instruções, arranjar maneira de ter música de fundo, uns tons em encarnado e a minha voz tentativamente natural, enquanto segurava o telemóvel a ver se não oscilava como um navio em alto mar.... O resultado é o que está à vista. A ver se, para a próxima, fica melhor.

As causas


Jorge Luis Borges lido pela autora de Um Jeito Manso




___

Abaixo poderão ver um vídeo sobre um tema de interesse geral.

..

11 comentários:

Anónimo disse...

Muito bem! Gostei.
(Também não reconheço a minha voz gravada).
Mozi

Traçados sobre nós disse...

Cara UJM:

É uma experiência interessante!
Outro dia gravei, e coloquei também no Youtube, uma meia dúzia de poemas meus. A voz, claro, não é bem a nossa...
Continue, deixando-lhe a sugestão, perdoe-me, de subir um pouco o som (ou será do meu ouvido?).

Saudações,

José Rodrigues Dias

Humberto Barbosa disse...

Boa noite caríssima UJM
Muito bem dito e uma voz muito bonita !
Parabéns
Soube a pouco ;)
Obrigado e um óptimo fim de semana
HB

P. disse...

UJM,
Acabo de vir de um concerto de Jazz em Cascais de Laurent Filipe, excelente e ainda vim até aqui, antes de ir dar uma volta com os cães e ler um pouco, até me ir deitar.
E, lá ouvi a sua voz, a declamar o poema por si escolhido. Gostei de a ouvir e, sobretudo, da sua voz.
Sabe, com isso parece que todos os que seguem este seu Blogue acabam por se sentir mais próximos de si.
A voz de alguém é algo muito especial. Tal como, por exemplo, um olhar. A sua entrega ao poema foi muito bonito de ouvir.
Mas, o que é mais curioso é que ao ouvi-la (nessa sua voz tão doce, suave, jovem e feminina - e tão bonita, desculpe-me a impertinência, ou ousadia!) não conseguia ligá-la à mulher que escreve estes Post, a autora deste Blogue. Não é que uma seja melhor, ou pior do que a outra, nada tem a ver com isso, mas com o que nós, quem não a conhece, imagina, no seu subconsciente.
Gostei do poema e de a ouvir. Parabéns pela declamação! Repita!
Tenha uma boa e descansada noite!
P.Rufino

Anónimo disse...

Gostei muito de a ouvir. Mas, tal como P. Rufino, não a consegui ligar ao que escreve no blog. A sua voz, pelo menos aqui a declamar o poema, é mais para o angelical. Talvez seja pelo tipo de poema. Grave outros para a ouvirmos mais.
Adoro o seu blog!
L.

Um Jeito Manso disse...

Olá Mozi,

A sério: acho que esta não é a minha voz. Não sei se é de ler em voz relativamente baixa. Mas se me ponho a tentar ler alto e bom som não é que desato a rir, feita parva...?

Enfim, 'cenas'.

E um abraço para si.

Um Jeito Manso disse...

Olá, Caro José Rodrigues Dias,

Também tenho achado graça a isto. E não é do seu ouvido, não, é mesmo a minha voz que parece que me sai sussurrada. Já expliquei acima que, se me ponho a falar alto e bom som, me dá vontade de rir. No entanto, o meu marido diz que a minha voz é mesmo assim, sempre, e que eu não me deia ter metido nisto, que agora já ninguém vai conseguir levar-me a sério...

Andei no Youtube à procura dos seus vídeos e não encontrei. Como devo procurá-los?

E um abraço para si!

Um Jeito Manso disse...

Olá Humberto, boa noite,

Obrigada. Ainda bem que gostou. Sabe que eu, durante os dois anos em que dei aulas, me via aflita para mandar calar os meus alunos. Se queria gritar, dava-me tosse. Tinha que me pôr a falar ainda mais baixo para eles, espantados, se calarem.

Mas, na vida corrente, falo num tom de voz normal (acho eu... às tantas é sempre esta desgraça de vozinha...).

Um abraço e um bom domingo!

Um Jeito Manso disse...

Olá P. Rufino,

Sabe que eu tenho a mesma reacção ao ouvir-me: acho que a voz não é a minha e custa a crer que quem dá tão valentes desandas em láparos e chernes fale com este fiozinho de voz.

Se leu o que hoje escrevi, verá que tenho vontade de me pôr a mandar brasa sobre a pandilha pafiosa e seus congéneres, nomeadamente sobre o Goldman Cherne -- mas estou a ser altamente desaconselhada a tal pois me dizem que o texto vai soar a conversa de anjinhos e perder a força toda.

Mas, de qualquer forma, obrigada pelas suas gentis palavras... :)

Um bom domingo, P.Rufino.

Um Jeito Manso disse...

Olá L.,

Essa sua de achar a voz angelical tem sido o mote para uma gozaçao pegada aqui em casa. Concordo consigo. Tenho que ver se arranjo forma de a coisa soar mais credível. também parece qu eme atrapalho com a porcaria do telemóvel a pô-lo a apontar para qualquer coisa que se veja na imagem do vídeo mas para não ficar longe de mim e, ao mesmo tempo, conseguir ler o que escrevi ou o livro. Atrapalho-me coma tecnologia. a ver se o meu marido aceita ser meu assistente de som...:) Mas não vai aceitar, vai é mandar-me bugiar com estas minhas maluquices...

Mas a verdade é que me tenho divertido com isto.

Obrigada pela simpatia das suas palavras. Um abraço e um bom domingo, L.

Traçados sobre nós disse...

Cara UJM:

Obrigado pelo seu comentário.

Pode "encontrar-me" pelo meu nome: "José Rodrigues Dias", sem foto, com 14 vídeos. O primeiro creio que foi "Os patos", poema que vai ser publicado no Brasil, com mais 49 poemas meus e 50 fotos (a preto e branco) de um fotógrafo brasileiro.

Deixo-lhe alguns links:

https://www.youtube.com/watch?v=vMlRN5RSqIg

https://www.youtube.com/watch?v=ws9SubpW5Eg

https://www.youtube.com/watch?v=fxM21nxNVV0

https://www.youtube.com/watch?v=oGN6o8EBasI


Votos de boa continuação.

Saudações cordiais,

José Rodrigues Dias