Actualidade, livros, árvores, amores, ficções, memórias, maluquices, provocações, desatinos, brinca

Actualidade, livros, árvores, amores, ficções, memórias, maluquices, provocações, desatinos, brinca

quinta-feira, maio 05, 2016

E o que eu gosto de poemas que me divertem, meio loucos, meio quase não-poemas?
E fotografias malucas?


Bom. Depois de ter estado a trocar ideias para um negócio e já a alinhar um business case com uma possível sócia, a ver se agora penso noutra coisa senão amanhã, quando estiver numa reunião, em vez de estar focada como convém a uma executiva muito alinhada, estou é a pensar em casos práticos para leccionar no curso de Sedução para Desajeitados.

É que não consigo deixar de pensar: acho que poderíamos seguir o método da AESE que é o Método do Caso

Por exemplo, casos concretos: 
  • Como é que uma tímida pode conquistar um engatatão. 
  • Como é que uma medrosa pode conquistar um convencido. 
  • Como é que um homem que tende a ser destravado pode conquistar uma beata. 
  • Como é que um mulher insegura pode conquistar um homem ainda mais inseguro. 
  • ...
Bom... matéria não falta, acho que é curso para três anos. Licenciatura à moda de Bolonha. 

Pronto. Adiante.

Tenho que desligar do tema, senão acabo a noite já a vender inscrições. Sinto-me como se tivesse visto A Luz


Mudar para poesia, por exemplo. Poesia, resulta sempre. Mas hoje estou com vontade de coisa soft. Tem dias em que ainda suporto as profundidades, profundidades relativas, claro, profundidades disfarçadas de ligeireza. Mas hoje não, hoje tem que ser na base da leviandade, coisa que me leve para a farra, que me faça sentar em volta do poeta, eu e mais uns quantos desatinados como eu, e vá de rir a noite toda. Coisa que a gente olhe uns para os outros e pergunte: Mas isto é poema ou anedota? e logo alguém diga: 'Que é que isso interessa? Toca mas é a rir!'

Vamos lá.


Pneumotórax

Febre, hemoptise, dispneia e suores noturnos.
A vida inteira que podia ter sido e que não foi.
Tosse, tosse, tosse.

Mandou chamar o médico:
— Diga trinta e três.
— Trinta e três… trinta e três… trinta e três…
— Respire.

— O senhor tem uma escavação no pulmão esquerdo e o pulmão direito infiltrado.
— Então, doutor, não é possível tentar o pneumotórax?
— Não. A única coisa a fazer é tocar um tango argentino.


Porquinho-da-Índia

Quando eu tinha seis anos
Ganhei um porquinho-da-índia.
Que dor de coração me dava
Porque o bichinho só queria estar debaixo do fogão!
Levava ele prá sala
Pra os lugares mais bonitos mais limpinhos
Ele não gostava:
Queria era estar debaixo do fogão.
Não fazia caso nenhum das minhas ternurinhas…

— O meu porquinho-da-índia foi minha primeira namorada.


Agora um poema sério. Vá lá. 


Difícil ser Funcionário

Difícil ser funcionário
Nesta segunda-feira.
Eu te telefono, Carlos
Pedindo conselho.

Não é lá fora o dia
Que me deixa assim,
Cinemas, avenidas,
E outros não-fazeres.

É a dor das coisas,
O luto desta mesa;
É o regimento proibindo
Assovios, versos, flores.

Eu nunca suspeitara
Tanta roupa preta;
Tão pouco essas palavras —
Funcionárias, sem amor.

Carlos, há uma máquina
Que nunca escreve cartas;
Há uma garrafa de tinta
Que nunca bebeu álcool.

E os arquivos, Carlos,
As caixas de papéis:
Túmulos para todos
Os tamanhos de meu corpo.

Não me sinto correto
De gravata de cor,
E na cabeça uma moça
Em forma de lembrança

Não encontro a palavra
Que diga a esses móveis.
Se os pudesse encarar…
Fazer seu nojo meu…

___

O Pneumotórax e o Porquinho-da-Índia são de Manuel Bandeira
O Difícil ser Funcionário é de João Cabral de Melo Neto.

As fotografias são da autoria do espanhol Chema Madoz
______




___

E, se estiverem para aí virados, desçam, por favor, que serão muito bem vindos em Cuba, com Karl & Tony, by Chanel

...

E ainda queria alinhavar dois dedos de prosa a propósito da crítica do António Guerreiro a O Meças de J. Rentes de Carvalho. Ou isso ou qualquer coisa à volta disso. A ver se ainda dá ou se fica para amanhã.


4 comentários:

Rosa Pinto disse...

Mudam-se os tempos, mudam-se as vontades,
Muda-se o ser, muda-se a confiança;
Todo o mundo é composto de mudança,
Tomando sempre novas qualidades.

Ref: E se tudo o mundo é composto de mudança,
Troquemo-lhes as voltas que ainda o dia é uma criança.

Continuamente vemos novidades,
Diferentes em tudo da esperança;
Do mal ficam as mágoas na lembrança,
E do bem, se algum houve, as saudades.

Mas se tudo o mundo é composto de mudança,
Troquemo-lhes as voltas que ainda o dia é uma criança.

O tempo cobre o chão de verde manto,
Que já coberto foi de neve fria,
E em mim converte em choro o doce canto.

Mas se tudo o mundo é composto de mudança,
Troquemo-lhes as voltas que ainda o dia é uma criança.

E, afora este mudar-se cada dia,
Outra mudança faz de mor espanto:
Que não se muda já como soía.

Mas se tudo o mundo é composto de mudança,
Troquemo-lhes as voltas que ainda o dia é uma criança.


José M Branco

Anónimo disse...

Por acaso estou a ouvir agora “Dance me to the End of Love”, do L. Cohen. Bela canção!
P.Rufino

Um Jeito Manso disse...

Olá Rosa,

Li enquanto trauteava e sorria. É bom pensar que podemos mudar, é bom acreditarmos que o dia ainda é uma criança e que temos mil mundos para descobrir.

Gracias, Rosa. Gostei.

Um Jeito Manso disse...

Olá P. Rufino,

Muitas vezes dancei ao som dessa bela canção. É intemporal.

Uma boa noite ou um bom dia consoante a hora a que leia.