Actualidade, livros, árvores, amores, ficções, memórias, maluquices, provocações, desatinos, brinca

Actualidade, livros, árvores, amores, ficções, memórias, maluquices, provocações, desatinos, brinca

sábado, agosto 29, 2015

Palavras nuas que beijas quando a noite perde o rosto


Depois de, nos dois posts abaixo, ter partilhado convosco dois anúncios espectaculares, aqui, agora, mudo-me para um outro registo: o do prazer maior, o que nos chega através das palavras.

Há palavras que nos beijam 
como se tivessem boca. 
Palavras de amor, de esperança, 
de imenso amor, de esperança louca. 




Palavras nuas que beijas 
quando a noite perde o rosto; 
palavras que se recusam 
aos muros do teu desgosto. 




(O nome de quem se ama 
letra a letra revelado 
no mármore distraído 
no papel abandonado) 



Palavras que nos transportam
aonde a noite é mais forte, 

ao silêncio dos amantes 

abraçados contra a morte
.....

O poema é de Alexandre O'Neill. Quem o canta no vídeo é a Mariza. 
As fotografias foram feitas in heaven

...

E desçam até aos posts seguintes, por favor, que não darão o tempo por perdido
(digo eu - que não sou a autora das habilidades).

..

Sem comentários: