Actualidade, livros, árvores, amores, ficções, memórias, maluquices, provocações, desatinos, brinca

Actualidade, livros, árvores, amores, ficções, memórias, maluquices, provocações, desatinos, brinca

domingo, abril 12, 2015

Senhora do impossível, rogai por nós. Deixai o lume, preso na cinza. sonhar o cume desde a ruína.


No post abaixo dou conta de uma maluqueira que por aí anda a circular e que ainda não percebi se tem algum fundamento ou se é delírio de alguma alucinada e dos tablóides que disso se alimentam.

Mas isso é a seguir. Aqui não posso dizer que a conversa seja outra pois são mais imagens e poemas do que conversa. E são imagens que, em meu entender, espelham bem as diferenças culturais, sociais, económicas que se verificam neste nosso pequeno mundo, no qual, tantas vezes, me parece estar a assistir-se a um fim de festa; e são palavras que nos convocam para a consciência de tudo.


Mas, se concordarem, vamos com o Mika e o seu Last Party





Mingey e o seu cão


No Sahara
REGRAS DE PROTOCOLO

Os que não têm lugar à mesa
devem rodar delicadamente para trás
e afastar-se sem barulho e sem notícia.
Os lugares foram reduzidos por forma a
um número crescente de convidados deixar

de ter lugar no banquete, sem qualquer aviso prévio
ou desculpa improvisada. Prontamente.
Conhecer as regras é necessário,
ignorá-las
é soberano.


Família disfarça-se para ficar parecida com os seus dáçmatas


no Bangladesh


SAUDADES DO FUTURO



Não, a solidão há muito
de nos frequentar.
A miséria não é solitária, é buliçosa
como uma colmeia.

Tem muito que aprender, viu?



Ana com Bisou e Cassanova em Queens


em África



A NOITE DO MUNDO



Deixa que a escuridão se instale completamente sobre a terra
e acende só então o pequeno candeeiro
para que a tua sombra encontre a noite do mundo






E felizmente ainda há também o olhar crítico dos artistas de rua. As imagens abaixo nem têm tanto a ver com as disparidades tão visíveis acima como com a forma descuidada, egoísta e estúpida como não respeitamos o planeta em que nos foi dada a sorte de vivermos.


Matando-nos a nós próprios - Silvestre Santiago Pejac, mais conhecido por Pejac


Comendo a Terra - Blu

A Terra está a ser assassinada - Made in Pain

Estamos a comer a Terra - Nemos

DIES IRAE

Esperanças de um maior contentamento?
Não basta o regabofe que tiveste?
Afasta pois daí o pensamento
e volta à pobre vida que mereces.

Ricos e pobres só no Céu se fazem
e o Céu é para os nossos golpes de asa:
as leis são só dos amos que nos trazem
a nós, os servidores, a sua casa.

Nós servimos os amos e luzimos
nosso orgulho de ser gente distinta:
pregamos a moral, a justa cinta
dos desejos que já desiludimos.

Somos os sacerdotes dos mercados,
da pobreza limpamos os pecados.

-------

Todos os poemas fazem parte do livro 'A Misericórdia dos Mercados' de Luís Filipe Castro Mendes e o título da mensagem também é parte de um.


-------

Relembro: para a notícia mais aberrante dos últimos tempos, queiram, por favor, descer até ao post já a seguir.

-----

Desejo-vos, meus Caros Leitores, um belo dia de domingo. Be happy.

...

Sem comentários: