Actualidade, livros, árvores, amores, ficções, memórias, maluquices, provocações, desatinos, brinca

Actualidade, livros, árvores, amores, ficções, memórias, maluquices, provocações, desatinos, brinca

sexta-feira, dezembro 19, 2014

Sobrinho e os milhões dos primos. Perna, o branqueador de capitais, que afinal nunca levou dinheiro a Paris. Sócrates, o que não acreditava que pudesse ser preso e que agora nem entrevistas pode dar não vá sair-lhe alguma palavra da boca que prejudique a paz de espírito do Super-Alex. O homem que leu 'As 50 Sombras de Grey' em público e não acautelou os efeitos secundários. O fantástico Helvis. E a Blaze burlesca que é do mais impróprio para consumo que há.


O post abaixo tratou de mulheres cantadas por poetas, em lingerie, dentro de camas macias e etc. Num outro, mais abaixo ainda, mostrei o homem que arrebatou o prémio UJM para o homem mais sexy, e fundamentei a escolha.

Mas isso é a seguir. Aqui, agora, a conversa é outra.

Estava para vir falar do Sobrinho que mostrou que não é tio da Linha, muito menos da família dos primos e que corre num corredor muito próprio. Contou que o dinheiro que o BES emprestou ao BESA - contabilisticamente falando - nunca saíu de Portugal. Ou melhor, nunca chegou a Angola, Ou melhor, andou por aí. Sobre como é que ele próprio arranjou tanto milhão para comprar jornais, apartamentos no Estoril, capital em clubes de futebol, empresas variadas e etc. disse que não era para falar dos seus próprios rendimentos que ali estava, que não queria ficar com má imagem do que se estava ali a passar e fez um olhar cortante.


Em toda esta nauseabunda conversa (e não me estou a referir especificamente à do sobrinho sobre o dinheiro que lhe foi dado a gerir pelos primos) ouvimos falar de milhões, milhares de milhões, biliões. E, aparentemente, grande parte desse dinheiro seguia direitinho para um buraco negro que ninguém viu, ninguém sabe onde está ou, se a conversa vai noutro sentido, tudo era colegial e toda a gente sabia ou, então, estava tudo nas mãos do primo confiável, o Salgado. Algures numas ilhas a sul ou a norte ou a este ou a oeste (depende de onde se olhe) ou nalgum sorvedouro galáctico pairam estes milhares de milhões que se evaporaram (ou, usando linguagem adequada, que estarão parqueados algures).

Tudo gente fina e à solta que é um miminho, até porque ninguém pode prejudicar nada porque mais prejudicados do que já fomos todos é difícil.
De resto, trocos. Na maior inocência os primos confessam que receberam milhões a propósito daquilo dos submarinos e que mais outros milhões foram pagos não se sabe a quem - mas não faz mal. Arquive-se.
Os contribuintes que pagaram os submarinos pagaram mais uns milhões para os primos e para os amigos dos primos, quiçá para algum partido, mas não faz mal. Os contribuintes portugueses são assim mesmo, uns mansos. São f... de todas as maneiras possíveis e imaginárias mas têm um espírito superior, relevam todas essas minudências. Pagam e amocham, sempre prontos para a próxima.

E tão impunemente tudo isto se passa que os primos nem se importam de confessar que, a troco não sabem bem de quê, receberam uns milhões de comissão pelos submarinos e que mais uns quantos aldrabões (sic) receberam ainda mais. E tudo na boa. Ouvimos e deixamos estar. E o processo de corrupção dos submarinos foi arquivado porque prescreveu e porque também não se apurou nada. Para a gaveta. Tudo certo. Cantando e rindo lá vamos tolerando todas estas pouca-vergonhas.

Presos continuam o director do SEF porque parece que recebeu duas garrafas de vinho, e mais o Perna, motorista de Sócrates, indiciado por branqueamento de capitais e que afinal parece que nunca foi a Paris, nunca levou dinheiro a Sócrates, e ainda preso também o próprio Sócrates a quem a mãe deu dinheiro e que até foi ouvido a dizer que não acreditava que o prendessem - o que só indiciou que havia perigo de fuga - e que portanto lá está, em Évora, na gaiola, a receber visitas dia sim, dia não. 


Criminosos perigosos como estes é bom que se mantenham na prisa, de pio cortado - dizem os papagaios do costume: é a justiça a funcionar. E a gente acha bem isto porque os poderosos devem estar presos e o Sócrates, de resto, tinha a mania de se vestir bem e, cagão que só ele, até foi estudar filosofia ou ciências políticas ou lá o que foi para Paris, olh'ó convencido. E, enquanto isso, poderosos de outra raça, dos que têm pedigree, desfilam pela Assembleia contando que não sabem que descaminho levaram os milhares de milhões, ou, então, que receberam, sim senhor, mas que isso não tem mal nenhum, que mal tem os contribuintes serem esfolados vivos para eles e as manas e as primas receberem os milhõzitos da ordem. Indiciados? Não! De quê?! Ora. E, risco de destruirem provas? Ná. Já tiveram mais que tempo para isso tudo, já não há nada para destruir. Por isso, não nos ralemos com nada disto que as ralações dão cabo da beleza e a malta quer é manter-se jovem e bela para sempre.


Dizia eu que ia falar disto mas, pelo que expliquei, já me falta a pachorra. Por isso, lamento mas fica para outro dia.


1. Vou antes fazer uma recomendação que não tem nada a ver mas eu, quando me apetece alienar-me, alieno-me com muita força. E a recomendação é esta: cuidado com o que se lê em lugares públicos não vá haver alguma reacção incómoda e estar por perto algum espertinho a registar o momento.


Lendo As 50 sombras de Grey num transporte público


2. E vou sugerir que a gente se divirta com o Jim Carrey. Love, love, love. O seu Helvis bate todos os sucessores do Elvis.




3. E, agora, que entre em cena mais uma das minhas minhas amigas burlescas. A graça que lhes acho e o que elas se divertem. Aqui temos a ruiva e descaradona Blaze no Cirque du Burlesque 2014. Sexy e rebolona, despe-se na maior descontra, dança, brinca que dá gosto e tem uma amplitude de movimentos de perna que dá inveja. Lá está, um dia que eu me reforme, cá tenho mais uma possível actividade: organizar uma coisa destas cá pelo burgo. Assim como assim, se é para a desgraça, que seja em grande estilo. 




___


Relembro: Mulheres e homens topo de gama podem ser vistos nos dois posts que se seguem. Ou será a roupa que eles vestem ou onde se deitam é que é topo de gama? Olhem, dado o adiantado da hora já nem me lembro.

___

Desejo-vos, meus Caros Leitores, uma bela sexta-feira.

..

2 comentários:

Anónimo disse...

Esta coisa do BES, faz-me lembrar uma espécie de Baile dos Inocentes.
P.Rufino

Pôr do Sol disse...

Boa noite Jeitinho,

Todas as noites venho visitá-la, peço desculpa por nem a cumprimentar, mas tenho saído de mansinho para não a contagiar com o meu desanimo e a minha tristeza, que nesta época do ano aumenta.

Sei que o meu estado de espirito é comum a mais de metade da população deste pobre país, mas não consigo deixar de ficar incomodada com as ultrapassagens às leis, a facilidade com que se ignoram outras, a passividade com que se atiram milhares para o desemprego e para a psiquiatria, enfim, sabe.

Entristece-me muito o mundo que estão preparar às nossas crianças.

Por cá tentamos fazer o melhor, preservando a sua inocencia, não ouvindo noticias. Contudo não é facil.

A propósito de branqueamento de capitais, a minha pequenita, do alto dos seus oito anos perguntava-me preocupadissima "Porque é que toda a gente fala de branquear todas as capitais? não pode haver cores?

Bendita inocencia.

Um beijinho e bom fim de semana.