Actualidade, livros, árvores, amores, ficções, memórias, maluquices, provocações, desatinos, brinca

Actualidade, livros, árvores, amores, ficções, memórias, maluquices, provocações, desatinos, brinca

sexta-feira, novembro 28, 2014

O palco aos grandes do meu País e ao que é grande no meu pobre País. Fado e Cante Alentejano são ambos Património Imaterial da Humanidade. Carlos do Carmo e os Cantadores Alentejanos.


Quando ouvi que a UNESCO tinha reconhecido o Cante Alentejano como Património Imaterial da Humanidade fiquei feliz e, como ando em maré de emocionar, deixei que as lágrimas me chegassem aos olhos assim que ouvi aquela boa gente a cantar.


É um canto que tem raízes na terra e que brota da alma das pessoas.

Gosto muito de ver e ouvir aquela gente, em comunhão, unida no canto tal como se une perante as adversidades da vida ou se une para festejar os momentos felizes.

O Alentejo é especial e belo em todos os meses do ano e as suas gentes, pelo menos as que conheço, são genuínas, francas, gente com quem se está sempre muito bem - e o seu canto é o espelho do Alentejo, da sua cultura despojada e das suas gentes.




Festas das Cruzes - Rancho de Cantadores de Aldeia Nova de São Bento



Pudesse eu fazer uma grande, grande festa, juntando todos os meus Leitores (... bem, todos não, só os que não me insultam e gostam de por aqui passar), e teria como convidados Cantadores Alentejanos para nos irmanar a todos, não apenas entre nós mas também entre nós e a terra.


Mas convidaria também um Senhor que engrandece Portugal: Carlos do Carmo.

Há dias Carlos do Carmo subiu ao palco grande do mundo do espectáculo e, dedicando-o aos portugueses, recebeu um Grammy. Não é coisa pouca e é uma honra que alguém que se tem mantido fiel à sua arte, à tradição do seu País, leal às suas convicções, veja reconhecido o seu talento desta forma tão brilhante.


Já antes tinha dado a cara aquando da bem sucedida candidatura do Fado a Património Imaterial da Humanidade de que foi grande impulsionador. Portugal deve-lhe muito. Faz mais pelo prestígio de Portugal do que mil Cavacos Silvas* ou Paulos Portas - mas, enfim, não quero agora falar desses vendilhões da Pátria que por aí andam a vender o meu País dizendo que tem sol, mulheres bonitas e uma companhia aérea em cima da mesa.


Adiante.

O vídeo que convosco partilho aqui abaixo é muito bonito, muito íntimo, Carlos do Carmo e Bernardo Sassetti a nu, vivendo em sintonia e total entrega a beleza da música.



Carlos do Carmo e Bernardo Sassetti na gravação da música "Cantigas do Maio" 


......


Já agora, os azulejos são outra das maravilhas do património artístico de Portugal. 

Estes que usei neste post encontram-se no Palácio dos Marqueses da Fronteira - de que aqui já falei a propósito de um maravilhoso dia de fim de verão em que festejámos o lançamento de um novo painel de azulejos da Paula Rego e de um livro conjunto, dela e de Antonio Tabucchi - , palácio habitado até há pouco por outra figura ímpar da cultura portuguesa, Fernando Mascarenhas.


____


Caso vos apeteça um pouco de humor negro envolvendo Passos Coelho, alentejanos, porcos e motoristas, e os Cavacos vendendo Vistos Gold desçam, por favor, até ao post seguinte.


----

3 comentários:

lidiasantos almeida sousa disse...

VIU A ENTREVISTA DO JUIZ CARLOS ALEXANDRE E UM JORNALISTA? QUE O TRETAVA POR TU NUMA PROCISSÃO. FANTÁSTICO MELGA, SE NÃO VIU VEJA NO YOU TUBE- VEJA TAMBÉM UM HOMEM PURO E MARAVILHOSO A CONTAR CENAS DA VIDA QUOTIDIANA DO JUIZ CARLOS ALEXANDRE. QUE MUST- QUE PECADOS TEM ESTE JUIZ PARA CHAMAR A COMUNICAÇÃO SOCIAL À PROCISSÃO E COMEÇAR A JUSTIFICAR-SE?

Um Jeito Manso disse...

Olá Lídia!

Não vi nem sei de que é que está a falar. Não arranja os links ou os vídeos? agora fiquei curiosa!

Um abraço.

irene alves disse...

Mais uma vez minha amiga, fiquei
a admirar o seu post. Também fiquei
muito feliz pelo Cante Alentejano.
Gosto muito do Alentejo, tenho na
família pessoas ligadas a pessoas do
Alntejo, tenho amigos/as do Alentejo,
e é uma zona do país de que gosto
muito.
Merecem!
É pena é certos políticos que não se
preocupam nada com o Alentejo virem
agora associar-se.
Bjs.
Irene Alves