Actualidade, livros, árvores, amores, ficções, memórias, maluquices, provocações, desatinos, brinca

Actualidade, livros, árvores, amores, ficções, memórias, maluquices, provocações, desatinos, brinca

quarta-feira, novembro 05, 2014

Angela Merkel diz que Portugal tem demasiados licenciados. Pudera. Há exactamente dois anos, Nuno Crato fez um acordo com ela relativo à importação para Portugal do modelo de ensino profissional e disse que "dentro um ou dois anos gostaria de ver metade dos alunos portugueses a frequentar o ensino profissional." E a matrafona está a cobrar. Olha quem. Os alemães levam os negócios muito a sério. O problema não está nela, o problema está em quem nos governa.




Esta terça feira deu que falar a boca da matrafona Angela Dorothea sobre Portugal ter licenciados a mais.


Ora bem. 

Sabendo-se que a percentagem de licenciados em Portugal está bem abaixo da média europeia e da média da própria Alemanha, a gente pode interrogar-se: mas a mulher não se informou? 

[Em 2013, 25,3% das pessoas na União Europeia têm cursos superiores (25,1% na Alemanha), enquanto a percentagem portuguesa era de 17,6%]

Manda bocas sobre o que não lhe diz respeito a que propósito?

Olha se o Passos Coelho diz em público que na Alemanha há mulheres a mais a usarem cuecas de gola alta? Saltavam-lhe todos em cima, e muito justamente, que ele não tinha nada a ver com isso.

Claro que esta minha suposição é meramente académica já que Passos Coelho, sabendo que a sua santa Merkel só usa cuecas da avó, jamais criticaria quem usa lingerie do mesmo tipo que ela.

Também claro está que se o dito Capacho-de-pêlo-de-Coelho tivesse algum brio, lhe saltava em cima, Olhe lá, ó sua bardajona, dá-lhe jeito que a malta cá se fique pelos cursos para canalizadores e cabeleireiras para irem fazer a ménage lá nas vossas casinhas e para ver se arranjam penteados que favoreçam mais as sargentonas como você, não?

Mas é escusado. Habituada a ver-se como o único ser dotado de testículos, a Angela Dorothea fala grosso e diz o que lhe apetece e quem não goste que coma só as batatas.

Mas, deixemo-nos de teorias.


A chanceler alemã, Angela Merkel, disse nesta terça-feira que países como Portugal e Espanha têm demasiados licenciados, o que faz com que não tenham noção das vantagens do ensino vocacional.
Citada pela agência de informação financeira Bloomberg, a chanceler alemã afirmou que o enfoque nos estudos universitários como um feito de topo da carreira é algo do qual deve haver um afastamento.
"Caso contrário, não conseguiremos persuadir países como Espanha e Portugal, que têm demasiados licenciados", dos benefícios do ensino vocacional, acrescentou a líder alemã, durante uma intervenção na confederação das associações patronais daquele país (BDA, na sigla em alemão).

Ora bem. Chegámos ao ponto. 

A badocha não se enganou nem está a «filosofar": está simplesmente a fazer um ponto de situação. Havia um compromisso para os alemães venderem formação profissional a Portugal e, pelos vistos, não se estão a atingir os números pretendidos. 

Os alemães, meus Caros, não brincam em serviço (e isso é mérito deles).

Deixem que vos diga. Estou habituada a trabalhar com alemães. É gente focada. Querem planear tudo, não deixam nada ao improviso, tornam-se maçadores prevendo todos os cenários possíveis e imaginários. Mas, uma vez estabelecido um plano, são como cães: não largam o osso mas nem por mais uma. 

É o que a badocha está a fazer. 

Recuo no tempo, exactamente dois anos, 4 de novembro de 2012, e transcrevo de novo:

Nuno Crato assina acordo em Berlim para reforçar ensino profissional


Na capital alemã, o governante português vai reunir com a ministra da Educação e Investigação, Annette Schavan, com que vai assinar um memorando de entendimento para a cooperação na área do ensino profissional.
Isto porque, vincou Nuno Crato, existe em Portugal um "grande desfasamento" entre a preparação que é fornecida aos jovens e as necessidades do mercado de trabalho.
Uma situação que, com a "difícil situação económica" que o país atravessa, torna mais "prioritário" ainda apostar num ensino que permita aos jovens uma "entrada mais rápida para uma profissão".
A possível aplicação, em Portugal, de um sistema dual de formação profissional, à semelhança daquele que vigora na Alemanha, é um dossier que está a ser gerido pelo Ministério da Educação e Ministério da Economia e do Emprego Nuno Crato explicou à Lusa que a ministra da Educação alemã decidiu "antecipar" a assinatura do acordo, uma vez que o ensino profissional será um "tema importante" durante a visita oficial que a chanceler alemã Angela Merkel realiza, a 12 de novembro, a Portugal.

Nessa mesma altura o C-Rato, essa infeliz criatura a quem é permitido que ainda se mantenha em funções como Ministro da Educação, dizia:

(Nuno Crato, falando no encontro empresarial luso-alemão no âmbito da visita da chanceler Angela Merkel): dentro um ou dois anos gostaria de ver metade dos alunos portugueses a frequentar o ensino profissional.

Não fez por menos. Metade!

Ou seja, nada de ilusões, meus Caros, a matrafona defende os interesses alemães como um cão defende o dono e parvos são os que não fazem o mesmo ou se deixam subjugar como pássaros atordoados perante a goela aberta de uma jibóia: a Alemanha faz regulamentos que obrigam as escolas a terem climatização cujos requisitos apenas são cumpridos por equipamento alemão, faz acordos dos mais diversos tipos em que se compromete a apoiar qualquer coisas mas sempre a troco de se lhes comprar mais isto, aquilo, o outro e ainda um par de botas, e só não vendem a mãezinha deles porque têm ainda muito para vender antes de chegar a vez da mãe.

Se os portugueses aprendessem a portar-se como gente em vez de se portarem como capachos, se batessem o pé em vez de levarem raspanetes de orelha caída, se lutassem pelo desenvolvimento do seu País em vez de aceitarem ser um exportador de mão de obra barata, se defendessem a aprendizagem e a investigação em vez de aceitarem uns indigentes mentais como governantes que só querem arruinar o ensino em Portugal, talvez a furona Angela Merkel se mantivesse sossegada dentro das suas fronteiras.

Portanto, de cada vez que ouvirmos que deveríamos ser canalizadores ou pedreiros em vez de pretendermos ser engenheiros ou doutores, não deveríamos ficar furiosos contra quem nos diz isso mas sim contra nós próprios, cambada de bananas.


.....

3 comentários:

Vitor disse...

Mais um valente, VALENTÍSSIMO , " post" !
MUITO BEM, estimada UJM !
Lamentavelmente, somos uns " tristes", sem " voz" que se oponha a estes dislates e humilhações . . .
Melhores Cumprimentos
Vitor

Anónimo disse...

poooooooooooooooovo de timoooooooooooor lorosaeeeeeeeeeeeeeee - lembram-se


agora - http://www.tsf.pt/PaginaInicial/Internacional/Interior.aspx?content_id=4217053


dia de timor leste - http://www.legislacao.org/primeira-serie/resolucao-da-assembleia-da-republica-n-o-41-96-timor-leste-presidente-novembro-130836

nunca me caiu

bob marley

Anónimo disse...

Comentário a sério. Bem detalhado e aprofundado. Dá gosto lê-lo. Parabéns.
Carlos P.Álvares