Actualidade, livros, árvores, amores, ficções, memórias, maluquices, provocações, desatinos, brinca

Actualidade, livros, árvores, amores, ficções, memórias, maluquices, provocações, desatinos, brinca

sexta-feira, junho 20, 2014

Alô, alô, Ministro Poiares Maduro! Olhe lá: vergonha na cara... sabe o que isso é? Depois de hoje os seus correlegionários lhe terem tirado o tapete de forma tão humilhante, não lhe passa pela cabeça meter a viola no saco e ir ver se engana outros? Aquela converseta do Tribunal Constitucional ser o culpado de desigualdades foi o quê? Patranha deliberada? Incompetência pura? Burrice da grossa? Uma coisinha má que lhe deu...? Olhe: poupe-nos e vá-se embora.


Prova provada de mais uma palhaçada:

Uma análise mais atenta à legislação levou o Governo a alterar a estratégia em menos de 24 horas: os funcionários públicos que já tenham recebido este ano a totalidade ou parte do subsídio de férias com o corte que estava previsto vão, afinal, receber o valor em falta. Excluídos desta correcção estarão, porém, os trabalhadores do sector empresarial do Estado que são regidos por normas de contratação colectiva de cada empresa.


O anúncio foi feito pelo ministro da Presidência e dos Assuntos Parlamentares, Luís Marques Guedes, na conferência de imprensa no final da reunião do Conselho de Ministros desta quinta-feira. E vem contrariar as declarações de ontem do ministro adjunto e do Desenvolvimento Regional, segundo o qual quem já tinha recebido o subsídio de férias com cortes não teria direito a qualquer ajustamento depois da decisão do Tribunal Constitucional.


Poiares Maduro nem cantar sabe
mesmo quando se limita a música pimba,
 ai o constitucional e tal, ai a aclaração e tal.

Mau, muito mau.

(O blogue We Have Kaos in the Garden é que o topa)
Pasmo com tanta palhaçada. 

A poia madura não era dada como de uma esperteza académica de fazer pôr o joelho em terra a qualquer simples mortal? Não veio de lá longe para iluminar Portugal com a luz dos seus brilhantes conhecimentos...? 

Ora uma sumidade assim pode dizer tanto disparate? E aceita ser desmembrado em público desta maneira quando as asneiras que tinha proferido estavam ainda quentinhas, com menos de 24 horas?

Ou é um embuste de uma ponta a outra, um verdinho qualquer que por aí andava a mandar umas bocas e por quem o Láparo de deslumbrou?

Que palhaçada esta, caraças, que indigente palhaçada.

E isto, claro, sem ofensa para os palhaços a sério.

_

2 comentários:

lidiasantos almeida sousa disse...

aqui cabia a minha colagem sobre esta ABROTEA.

Anónimo disse...

Este gajo (o Poia) é um atrasado mental. Ponto!
P.Rufino